Paris, a Cidade Luz

Cidade que respira cultura e transpira os odores de sua mundialmente famosa gastronomia

Holanda: liberdade e tradição lado a lado

O encantador país que mantem suas tradições, mas também demonstra toda a modernidade do primeiro mundo

Gramado: um pedacinho da Europa no Rio Grande do Sul

O destino turístico mais procurado do RS atrai o público com suas infinitas belezas e atrações, não só no inverno

Sim, o Rio de Janeiro continua lindo

Uma cidade exuberante que, apesar dos problemas, nos encantou

Uruguai: tradição, tranquilidade e amabilidade

Nosso irmão menor mostra sua face tranquila, suas belezas naturais e cultos à tradição

sábado, 30 de janeiro de 2016

Montevidéu vista de cima - Intendencia

Várias cidade pelo mundo propiciam uma vista panorâmica a seus visitantes. Já havíamos tido a vista aérea do Rio (aqui e aqui), Paris (uma, duas, três, quatro vezes) Agora Montevidéu está neste grupo. Encontramos duas opções para esta visão "aérea" da cidade. Visitando a Fortaleza del Cerro (logo aqui no blog) você terá a visão de toda a cidade em um mesmo panorama. Já na Intendencia, você percorre o terraço, observando os pontos mais de parto, com sua visão partindo do centro da cidade.
Mirante da Intendencia de Montevideu, por novocaroneiro.com

A Intendencia de Montevidéu está localizada na principal avenida da cidade, a 18 de Julio. É muito fácil chegar até lá. Caso esteja no centro ou Ciudad Vieja, a maneira mais prática é indo a pé. Se estiver mais longe, há várias opções de ônibus que passam pela região. Também não descarte o táxi. O prédio da Intendencia chama a atenção por ser de tijolos a mostra (marronzinho), e destoa um pouco do resto da arquitetura local (concreto). Além disso, para chamar ainda mais a atenção, há uma estátua que é a réplica de David, de Michelangelo. Confesso que passamos várias vezes por ali sem saber que era este o prédio. Explico: sempre que lemos sobre o mirante, diziam que era necessário subir até o 22º andar (ou andar 22, em outras fontes), e este prédio não parecia chegar nem perto disso...
Mirante da Intendencia de Montevideu, por novocaroneiro.com

O acesso ao mirante é gratuito. Mas isso não significa que não precise apresentar ingresso ao chegar lá. Para evitar problemas, antes de entrar no prédio, procure o quiosque de informações turísticas (bem na esquina) e solicite seu ingresso para o mirador. Não tem erro. Depois basta acessar o prédio da Intendencia (os atendentes das informações turísticas passam várias opções) e subir. Há a opção de subida em elevador panorâmico, ou em elevador normal. Como encontramos primeiro o elevador normal, fomos neste. Entramos no elavador com a  instrução de ir até o andar 22... mas ele só tinha botões para acessar até o 11º andar. Fomos até lá, procurar outro elevador que subisse mais... mas fomos informados que bastaria um lance de escadas e chegaríamos ao mirador (vai entender essa conta!).
Mirante da Intendencia de Montevideu, por novocaroneiro.com

No terraço do prédio há uma bela vista de Montevidéu. É possível ver muitos prédios e é legal tentar encontrar os locais que já vimos ou que ainda fazem parte do roteiro de próximas visitas. Contornando o terraço é possível observar a cidade em 360 graus. Para facilitar a localização dos lugares, há várias placas que indicam qual prédio é possível ver daquele ponto. Depois disso basta olhar as plaquinhas e procurar os locais no horizonte. O acesso ao mirante é permitido das 10 às 16 horas, em dias úteis (mas cabe confirmar a informação quando você for até lá), e a permanência tem tempo livre dentro destes horários.
Mirante da Intendencia de Montevideu, por novocaroneiro.com

Veja mais fotos de Montevidéu:
https://www.flickr.com/photos/novocaroneiro/albums/72157663172050232

Hotel no Uruguai? É só buscar aqui embaixo:

Booking.com

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Teatro Solis - Montevidéu, Uruguai

Um dos pontos turísticos mais legais em Montevidéu é, sem dúvidas, o Teatro Solis. Localizado estrategicamente na Ciudad Vieja, próximo à Paza Independencia, destaca-se pela arquitetura de seu exterior, com colunas gregas. Seu interior mostra todo o requinte desta obra executada pela burguesia dos anos 1840.
Teatro Solis, Montevidéu, por novocaroneiro.com

Para conhecer toda a beleza do Teatro Solis, há duas maneiras principais. Uma delas é ter a sorte de visitar Montevidéu durante a temporada de espetáculos (peças teatrais, shows musicais, dança, orquestras) que ocorre durante praticamente o ano todo - normalmente para durante as festas de fim de ano. Outra maneira, mais comum aos turistas, é fazer a visita guiada ao Teatro. O tour guiado ocorre diariamente, em vários horários (há número limitado de visitantes por guia e por idioma), e varia entre 20 pesos e 50 pesos. Quando fizemos nossa visita, conseguimos chegar no último horário do dia (com uma corridinha básica). Como havia muuuuita gente para o passeio, não conseguimos guia em português, então assistimos as explanações em espanhol e compreendia-se bem. O grupo era quase totalmente formado por brasileiros.
Teatro Solis, Montevidéu, por novocaroneiro.com

Inicialmente é contada a história da fundação e alguns aspectos sobre a construção do prédio, ainda na parte externa (as explicações são bem prejudicadas pelo barulho vindo dos carros que passam na rua ali em frente). A visita interna começa pelas áreas sociais do Teatro, se assim pode-se dizer. No hall, onde eventualmente ocorrem exposições, já há uma certa ostentação, com um lustre com muitos cristais, belíssimo. Dali partimos para um palco alternativo, cujas arquibancadas móveis se adaptam a necessidade do espetáculo. Pode ser composta, inclusive, com arquibancadas em 360 graus ao redor do palco principal. Mostra a estrutura e a dinâmica que o Teatro toma na atualidade.
Teatro Solis, Montevidéu, por novocaroneiro.com

Depois de conhecer este palco alternativo, chegou o momento mais esperado da visita: o palco principal e a plateia do teatro. O local é simplesmente belíssimo. Impecável. Trata-se de um teatro muito bem cuidado, como aqueles que normalmente vemos em grandes concertos da Europa. Com um formato arredondado, apresenta vários níveis de camarotes, além de várias cadeiras almofadadas em tecido vermelho. Os detalhes em cristal dos lustres, que ficam amarelados com as lâmpadas completam o charmoso ambiente. A capacidade do teatro varia de acordo com a amplitude e tipo de espetáculo apresentado. Maximizada em shows musicais e otimizada em espetáculos teatrais que necessitam de melhores ângulos de visão.
Teatro Solis, Montevidéu, por novocaroneiro.com


Aberto o ano todo para visitas, é um ótimo atrativo na capital uruguaia.
Site oficial: http://www.teatrosolis.org.uy/
Veja mais fotos de Montevidéu:
https://www.flickr.com/photos/novocaroneiro/albums/72157663172050232

Hotel no Uruguai? É só buscar aqui embaixo:

Booking.com

domingo, 24 de janeiro de 2016

Estádio Centenário e Museu do Futebol - Montevidéu, Uruguai

Adoro futebol! Adoro conhecer estádios diferentes. Aqui no blog já falei sobre o Beira-Rio (Porto Alegre), Maracanã (Rio de Janeiro) e agora vou contar nossa visita ao Estádio Centenário (Montevidéu). Depois de conhecer o Maraca, que sediou a última final de Copa do Mundo, foi a vez de ir ao Cafo e conhecer o palco da primeira final de Copas da história.
Estádio Centenário de Montevidéu, por novocaroneiro.com

Saindo do Hotel Califórnia, onde estávamos hospedados, seguimos a pé pela principal avenida de Montevidéu, a 18 de Julio, até o Parque Battle, onde está localizado o Centenário. Um pouco antes do parque, encontramos o Obelisco de Montevidéu, monumento muito bonito e que homenageia os participantes na elaboração da primeira Constituição do país. Imponente, com seus 40 metros de altura, apresenta esculturas em bronze e fontes que jorram água. Mas voltando ao estádio, atravessamos o Parque - que conta com belos gramados bem arborizados, quadras esportivas, pista de ciclismo, parque infantil, academia, lanchonete e até um outro estádio menor, o Parque Palermo (do clube Central Español, atualmente na segunda divisão uruguaia) - até termos a primeira visão deste histórico palco do futebol.
Estádio Centenário de Montevidéu, por novocaroneiro.com

Contornamos a parte externa do estádio, até chegarmos à entrada do Museu do Futebol. É ali que começa a visita ao estádio. A entrada é bem fácil de encontrar, já que destoa de todo o resto da fachada do estádio. Há cobrança de ingresso no valor de 80 pesos, que dá direito a visita a todo o Museu, além de acessar as arquibancadas do estádio. Para quem já visitou o Museu Seleção Brasileira (ex CBF Expereience), do Rio, as diferenças são gritantes, já que conta com pouca tecnologia.
Estádio Centenário de Montevidéu, por novocaroneiro.com

O Museo del Futbol é destacado para as conquistas da seleção uruguaia e seus ídolos. No acervo do museu, podemos encontrar as taças conquistadas pela celeste em Copas Américas e outros torneios, além, claro, da Copa do Mundo, da qual o Uruguai foi campeão em 1930 e 1950. Além disso há grande destaque para o bicampeonato olímpico de 1924 e 1928, com ítens utilizados pela delegação do país naquelas oportunidades, como bandeiras e equipamentos originais da época. Os momentos com mais destaque são a Copa de 1930, primeira da história, disputada no país e ganha pelos mandantes, e a Copa de 1950, ganha pelos uruguaios em solo brasileiro. Também há alguns painéis que destacam ídolos mais recentes, com exposição de imagens e camisetadas de Diego Forlán e El Loco Abreu. Apesar de simples, o Museo del Futbol de Montevidéu guarda os momentos mais marcantes da seleção daquele país e tem grande papel histórico.
Estádio Centenário de Montevidéu, por novocaroneiro.com

Como disse antes, ao visitar o Museu, ganhamos o direito de ir até as arquibancadas do estádio que sediou a primeira final de Copa do Mundo! Considerado pela FIFA um dos monumentos da história do futebol, o Estádio Centenário está defasado em comparação aos estádios atuais, mas mesmo assim mantém sua alma uruguaia e eu gostei de estar lá. Com suas cadeiras (sem encosto) predominantemente azuladas - cores da seleção, tem histórias incríveis pra contar. Copa do Mundo, Libertadores, Eliminatórias, clássicos Nacional x Peñarol. A visita não é muito completa. Dá acesso apenas às arquibancadas, ao contrário das visitas aos estádios mais estruturados que apresentam cabines, vestiários... mas com certeza vale pelo peso histórico do local.

Estádio Centenário de Montevidéu, por novocaroneiro.com

Para mais informações, acesso o site do local.

Veja mais fotos de Montevidéu:
https://www.flickr.com/photos/novocaroneiro/albums/72157663172050232

Hotel no Uruguai? É só buscar aqui embaixo:


Booking.com

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Hotel Califórnia - Montevidéu, Uruguai - Avaliação

Durante nossa passagem por Montevidéu ficamos hospedados no Hotel Califórnia, o qual avaliamos:

Localização

O hotel está localizado na região central da capital uruguaia, bem próximo de supermercados, restaurantes, casas de câmbio, pontos de táxi e de ônibus. A localização também é excelente para quem busca conhecer a Ciudad Vieja, já que permite que os passeios até lá sejam feitos a pé. O Hotel California está localizado a apenas uma quadra da Avenida 18 de Julio, a principal de Montevidéu. Também está muitíssimo perto da Fonte de los Candados e da estátua de Gardel (que está ao lado da fonte).

Hotel Califórnia, por novocaroneiro.com

Acomodações

O apartamento tem um tamanho excelente. Naquele onde nos hospedamos havia cama box de casal (achamos um pouco macia, mas aí vi de cada um), criados mudos dos dois lados da cama, televisão com tv a cabo (de canais brasileiros - Record), ar condicionado, ventilador de teto, armário espaçoso para roupas e frigobar (vazio). A iluminação era boa e o apartamento apresentava janela (sem vista) com blackout que barrava muito bem a claridade. Quarto muito bom!

Hotel Califórnia, por novocaroneiro.com

O banheiro seguia os níveis do quarto. Com bom tamanho, além do sanitário, balcão, espelho e ducha, o banheiro do quarto tinha uma banheira relaxante e secador de cabelo. Tudo muito bem arrumadinho. O lado ruim é que havia apenas cortininha e não box, e alguma água escorria pelo banheiro.

Café da manhã

Hotel Califórnia, por novocaroneiro.com

O café da manhã no Hotel Califórnia merece destaque, por ter sido disparadamente o melhor em nossa passagem pelo Uruguai. Há diversas opções em frutas, iogurtes, pães, bolos e biscoitos. Há frios, geleias, manteiga e doce de leite, além de ovos mexidos. O café é bom e o ambiente também é bem agradável, mesmo sendo perto da recepção, no andar térreo.

Estacionamento

Hotel Califórnia, por novocaroneiro.com

Aqui está o calcanhar de aquiles do Hotel Califórnia. A garagem oficial do hotel está localizado em um edifício-garagem, na rua lateral do hotel (em frente ao Palácio da Polícia). A distância não é grande até lá, mas acaba sendo incômoda em dias de chuva ou frio. Além disso, o prédio tem 10 andares de garagem, e as vagas do hotel ficam nos dois últimos (exige alguma perícia ao volante subir). Depois da subida, para chegar ao térreo, há um elevador bem rústico, com trancamento manual das portas e com capacidade para duas pessoas (ideal). Andamos em até quatro pessoas exprimidas.

Outras informações

Equipe: atenciosa e profissional. Quando pede-se informações, tentam te induzir a ir em estabelecimentos parceiros.
Internet: há wifi grátis, com sinal bom. Há computadores na recepção que podem ser usados (aparentemente sem cobrança extra).
Limpeza: excelente. Quarto foi limpo todos os dias.
GPS: o GPS leva exatamente ao local correto, o que é bom caso você vá de carro.

Durante nossa hospedagem, com três diárias, custou US$177,00. O hotel aceita Pesos, Dólares, Reais e cartões de crédito.

Booking.com

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Passeio de dois dias em Montevidéu, Uruguai

Depois de ingressar no Uruguai e conhecer a Fortaleza de Santa Teresa e as belas La Paloma e La Pedrera, andamos cerca de 225km em excelentes estradas e chegamos à Montevidéu. A capital uruguaia, ao contrário das outras cidades por onde havíamos passado, é uma metrópole com quase 2 milhões de habitantes (praticamente a metade da população do país) e cheia de história e locais para visitar. Nosso planejamento nos daria dois dias para pesseios pela cidade, além de um bate-volta até Colonia del Sacramento.

Montevidéu, por novocaroneiro.com

Como dirigir em uma cidade desconhecida não é assim tão simples, estrategicamente chagamos a Montevidéu no domingo de tarde, visando evitar o trânsito mais pesado. A estratégia deu certo e chegamos com tranquilidade (e GPS) ao centro. Ficamos hospedados na região central da cidade, facilitando os deslocamentos para a região turística da Ciudad Vieja. Além disso, a hospedagem na região central também acabou facilitando o acesso a supermercados, casas de câmbio e transporte público. Nos hospedamos no Hotel Califórnia, que nos apresentou um excelente custo-benefício! Escolha acertadíssima e recomendada.

Montevidéu, por novocaroneiro.com

Apesar de ser uma cidade grande, os atrativos turísticos estão bem agrupados. A Ciudad Vieja é o que apresenta o maior número de pontos de interesse, como a Plaza Independencia, o Museu General Artigas, o Teatro Solís, a Puerta de la Ciudadela, a Catedral. Nesta região da cidade há, ainda, o famoso Mercado del Puerto (que acabamos não conhecendo). Na região mais central encontramos a Fuente de los Candados e o Mirante de la Intendencia. Um pouco mais distante (mesmo assim fomos a pé, mas voltamos de ônibus) está o Estádio Centenário, palco da final da primeira Copa do Mundo. E bem mais longe, sendo necessário o carro, ou transporte público, tínhamos a Fortaleza del Cerro e as Ramblas mais movimentadas, como a do bairro Pocitos, onde está o letreiro Montevideo. Para nosso roteiro, agrupamos os pontos mais próximos para visitar no mesmo período do dia (considerando que alguns locais não abriam na segunda-feira). Então, em um período visitamos a Ciudad Vieja, no outro o centro, outro para o estádio e intendência. O Cerro, por ser bem mais longe, acabou sendo o primeiro local visitado por nós, ainda no domingo.

Montevidéu, por novocaroneiro.com

Os passeios a pé pela capital uruguaia são altamente recomendados. A cidade é praticamente plana e isso favorece as caminhadas. Andando é possível vver uma série de detalhes, conhecer diversos aspectos da população local que de outra forma não são percebidas. Andar pela Avenida 18 de Julio, a principal da cidade, olhando o comércio (e os sapatos femininos bem diferentes) são um convite da cidade. Observar os uruguaios passando com seu mate na mão. As banquinhas de pancho. Os supermercados Tata e as casas de câmbio que se espalham pelo centro. Ande e veja as diversas praças e a arquitetura impressionante de Montevidéu!

Nos próximos dias teremos postagens específicas de cada lugar por onde passamos, nao deixe de conferir!


Sugestão de locais a visitar:

Chegada e check in no hotel na primeira tarde
- Ida ao Cerro de Montevidéu, onde há a Fortaleza General Artigas
- Passeio na Rambla do Bairro Pocitos / Letreiro Montevidéu

Dia completo
- Passeio pelo centro histórico
- Andar pela Av 18 de Julio (se hotel for no centro) até a Puerta da la Ciudadela
- Passar pela Plaza Independência, região onde há a Estátua e Museo General Artigas (escada ao lado
da estátua). Visitar ali também o Teatro Solis, que pode ser visitado depois das 11h.
- Ir até a Plaza Constituicion e a catedral
- Almoço no Mercado del Puerto
- Depois do almoço ir até a Intendência Municipal (táxi?) e subir no mirante (até às 15h).
- Ir ao estadio Centenário, passando pelo Obelisco –  Aberto das 10h às 17h
- Passar pelo Palácio Legislativo, na Av de las Leyes, 1800
- A noite: show de tango


Veja mais fotos de Montevidéu:
https://www.flickr.com/photos/novocaroneiro/albums/72157663172050232

Hotel no Uruguai? É só buscar aqui embrixo:


Booking.com

domingo, 17 de janeiro de 2016

Fortaleza de Santa Teresa, Uruguai

A Fortaleza de Santa Teresa está localizada há pouco mais de 30km da fronteira com o Brasil. Faz parte do Parque Nacional de Santa Teresa e é um monumento histórico muito bem conservado. Recebe muitos turistas brasileiros, uruguaios e de diversos pontos do globo diariamente. Para quem vai de carro ao litoral uruguaio, o acesso à Fortaleza é muito fácil, com bastante sinalização. Além do monumento histórico, o local conta com bar/restaurante, sanitários e estacionamento.

Fortaleza de Santa Teresa, por novocaroneiro.com

Administrado pelo exército uruguaio, o local é muito limpo e, obviamente, seguro. Alguns soldados tomam conta do lugar e dos visitantes. Visando a conservação do local, para o ingresso é cobrado o valor de 20 pesos (R$3,00) e dá direito a permanência indeterminada no interior dos muros.

Fortaleza de Santa Teresa, por novocaroneiro.com
A Fortaleza de Santa Teresa teve sua contração iniciada em 1762, como forma de proteção do território português. Ainda antes de sua conclusão, no entanto, os espanhóis conquistaram o local (e ficarm por lá por quase meio século). Muitas outras batalhas correram por ali (pode ver aqui) até a conquista definitiva por parte dos uruguaios.

Fortaleza de Santa Teresa, por novocaroneiro.com

Além das muralhas construídas sob blocos de pedra, o compexo da Fortaleza de Santa Teresa é um museu histórico. Cada ambiente do forte é recontado e está montado como na época em que ele era utilizado militarmente. Por exemplo, a cozinha apresenta os utensílios utilizados nos anos 1700 e 1800, assim como o setor de enfermaria e até os banheiros, formados por tábuas com buracos... mas para o público os banheiros são modernos, não se preocupe!

Fortaleza de Santa Teresa, por novocaroneiro.com

Por ali, ainda, é possível visitar a igreja que recebia as tropas, onde há uma série de itens originais, como santos, vestimentas, louças, além do quarto dos padres que por ali passaram. Aproveite as muralhas para ter uma ideia da vista que os soldados tinham ao fazer suas observações. É uma ótima forma de começas a vivenciar o Uruguai através de sua parte histórica.

Pretende se hospedar na região da Fortaleza? Busque aqui o seu hotel perfeito!

Veja mais fotos da Fortaleza de Santa Teresa:
https://www.flickr.com/photos/novocaroneiro/sets/72157655481188748

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Parque Epopeia Italiana, Bento Gonçalves-RS

Localizado no município de Bento Gonçalves, na serra gaúcha, o Parque Epopéia Italiana mostra através de cenários, vídeos e dramatizações como foi a vinda dos imigrantes da Itália para o Brasil, por volta do ano 1875. Toda a apresentação acontece dentro de um grande galpão, próximo à Estação Ferroviária de Bento Gonçalves, local de muito fácil acesso.

Parque Epopéia Italiana, por novocaroneiro.com
A apresentação é dividida em módulos, e tenta trazer o espectador para dentro dos cenários, uma vez que um ator/atriz vai acompanhando o público pelos diferentes palcos, dando as explicações e até fazendo com que alguns dos visitantes virem personagens da história.

Parque Epopeia Italiana, por novocaroneiro.com
A história começa a ser narrada logo após a recepção, quando um dos atores da equipe, contracenando um italiano (cheio de sotaque) começa a falar sobre a possibilidade de sair da Itália para viver uma nova vida no Brasil, país que, segundo informação que eles receberam, tem muitas terras, muita fartura. Logo depois é apresentado um vídeo, com os preparativos da viagem e o caso de amor entre Rosa e Lázaro Giordani (antepassados dos criadores do Parque), que traz o casal protagonista da história até as terras brasileiras, em uma longa viagem de navio.

Parque Epopeia Italiana, por novocaroneiro.com

Os cenários vão acompanhando a história, com a viagem de navio (e o cenário que imita o barco), a chegada em terras a serem desbravadas (selva, animais), as primeiras construções (em casas rústicas de madeira, com chão batido e pedras para dormir). Mostra a evolução, perseverança e luta de um povo que, mesmo nas diversidades, com todo seu trabalho e crenças, conseguiu criar um pequeno povoado e o transformou em uma das regiões mais desenvolvidas e prósperas do sul do Brasil.

Parque Epopeia Italiana, por novocaroneiro.com

É um local que vale a visita, por ser bem divertido e alinhar a parte história de toda a região.  Agregamos cultura e passamos a compreender e admirar ainda mais o povo de Bento Gonçalves.

Para mais informações, acesse o site do Parque Temático.

Aproveite e pesquise hotéis em Bento Gonçalves ou em cidades da serra gaúcha!

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Hotel La Tuna - La Paloma, Uruguai - Avaliação

Passamos por La Paloma, uma pequena cidade no litoral uruguaio. Durante nossa curta hospedagem, ficamos hospedados por uma noite no Hotel La Tuna, que em nossas avaliações através do Booking.com e TripAdvisor conseguiu unir preço e notas aceitáveis por parte dos avaliadores. Continue lendo para saber informações sobre o hotel e nossa avaliação geral.

Hotel La Tuna, La Paloma, novocaroneiro.com

Localização

Mesmo considerando que a cidade de La Paloma é bem pequena, o hotel está localizado perto do centro, há poucas quadras das principais ruas comerciais. Cinco minutos de caminhada te levam a restaurantes, lojinhas, sorveterias e casas de câmbio. O hotel está inserido em uma zona residencial da cidade, muito tranquila e silenciosa. Além disso, fica há poucos passos do mar - Bahía Chica. Esta praia não é das mais badaladas, mas é um charme estar hospedado nesta distância do mar.

Hotel La Tuna, La Paloma, novocaroneiro.com

Acomodações

Ficamos hospedados em dos apartamentos laterias. O apartamento (assim como o prédio) é bem antigo, com mobília já ultrapassada. A cama, no entanto, é muito boa. Há espaço para guardar as roupas, uma poltrona e uma mesinha. O apartamento onde nos hospedamos não tinha carpete, apenas alguns tapetes. Gostamos da decoração, mesmo sendo bem simples. O banheiro, este sim é bem pequeno e não tem box, apenas uma cortininha... e um rodo para, se tiver boa vontade, puxar a água que respinga pelo local. Apartamento não tinha ar condicionado, nem frigobar, mas apresentava tv a cabo (de canais brasileiros localizamos apenas a Globo, mas com áudio bem ruim). Pela janela podíamos ver um trecho da praia (esticando-nos um pouco), e o prédio vizinho estava a uma boa distância, garantindo a privacidade.

Hotel La Tuna, La Paloma, novocaroneiro.com

Café da manhã

O café da manhã ocorre em um salão bem simples e é paupérrimo. Extremamente simplificado, apresenta apenas poucas opções de pão, manteiga, geleia e biscoitos. Não tem frutas e sequer frios (nem queijo, nem presunto). E eu, que li maravilhas sobre as medialunas uruguayas, fiquei só na vontade. Mas nem tudo no café da manhã do La Tuna é pobreza. Sentando perto de uma das janelas você terá uma vista incrível da baía, para inspirar o restante de seu dia!

Hotel La Tuna, La Paloma, novocaroneiro.com

Outras informações:

Wifi grátis: sim, com velocidade bacana. O sinal em nosso apartamento era muito bom. Não nos deixou na mão.
Limpeza: quando chegamos achamos tudo bem limpo e cheirosinho. Como ficamos apenas uma noite, não podemos avaliar a limpeza durante período de hospedagem.
Conforto da cama: muito bom. Apesar da mobília ultrapassada, a cama aparenta ser mais nova e está em excelente condição. Ótima noite de sono.
Kit higiene: disponíveis shampoo e sabonete, além de toalhas de rosto e banho.
Atendimento: bom, sem reclamações. Sem grandes elogios também. Bem normal. Antes da viagens efetuamos contato telefônico sem problemas, também.
Garagem: não há. Os carros ficam estacionados na rua, em frente ao hotel. O lugar nos pareceu bem seguro.

Hotel La Tuna, La Paloma, novocaroneiro.com

Pagamos o valor de US$55,00 por uma diária para casal. A reserva pelo Booking.com não descontou nada no cartão de crédito e fizemos o pagamento em dólares, em dinheiro vivo.

Em linhas gerais o Hotel la Tuna é uma boa opção para diária rápida de pessoas que não buscam muito conforto no hotel. Pela faixa de preço, tem um bom custo benefício.

Hospedagem em 12/2015.

Faça sua reserva online, sem qualquer burocracia, ou pesquise outros hotéis em La Paloma!

domingo, 10 de janeiro de 2016

Viagem de carro ao Uruguai

Em nossas últimas férias resolvemos fazer algo diferente. Decidimos pegar nosso carro e percorrer o litoral uruguaio, passando por La Paloma, Montevidéu, Colônia del Sacramento, Punta del Este e Piriápolis. A viagem ocorreu entre 25 de dezembro e 1º de janeiro e o seu planejamento foi iniciado cerca de 40 dias antes de nossa saída, momento em que passamos a buscar os pontos interessantes, decidir as paradas e buscar hotéis nestes pontos de pernoite. Para nossa pesquisa, utilizamos muito o Google Maps - para localizações, cálculo de distância e tempo de trajeto, além de usar muito o TripAdvisor e Booking.com, afim de buscar hotéis dentro de nossos padrões (avaliando preço e qualificações). Muitos blogs também foram lidos, como o Café Viagem, Viaje na Viagem, Uruguay por uma brasileira, Passo a passo para o mundo, dentre outros. Os blogs reforçam informações com a experiência do viajante como nós, não só do jornalista que repassa a informação, daí a importância desta fonte.

Casa no caminho, novocaroneiro.com

Partimos no dia 25 de dezembro sem lugar definido para passar a noite. A ideia inicial era tentar ir de Navegantes até pelo menos a cidade de Rio Grande. Saímos pela manhã, paramos para almoçar no Restaurante Becker, em Araranguá (muito bom, por sinal) e continuamos rumo ao sul. No início da noite chegamos ao acesso para Rio Grande, e decidimos ir até a Praia do Cassino buscar algum lugar para passar a noite. A avenida principal do balneário (Av Rio Grande) estava repleta de gente. Muitos passeando, outros sentados tomando chimarrão. Mas havia muita vida, muita animação. Os bares e restaurantes também estavam repletos de pessoas, assim como as feiras e camelôs. Passamos em frente ao Hotel Atlântico e paramos para tentar algum apartamento de última hora. Acabamos ficando em um apartamento simples (com ventilador, frigobar, banheiro privativo) que nos atendeu muito bem (logo avalaremos o hotel no blog. Enquanto isso, veja aqui outras opções no Cassino). Jantamos, andamos um pouco e fomos nos preparar para a viagem do dia seguinte, até La Paloma.

Molhes do Cassino, novocaroneiro.com

Antes de partirmos rumo ao Uruguai, decidimos conhecer um dos pontos turísticos mais mostrados pela mídia no verão gaúcho: os Molhes da Barra do Rio Grande. Lá há uma séria de vagonetas, espécie de carrinhos sobre trilhos, movidos a vela, que percorrem a extensão do molhe, levando turistas até a pontinha da estrutura. Ficamos por ali um tempinho, ms nenhum turista fez o passeio para registrarmos. Outra curiosidade por ali é que, como outras praias gaúchas, os carros ficam estacionados na areia, perto dos banhistas. Na praia do Cassino (uma das maiores do mundo, com 254km de extensão) chega a ser aberta uma estrada na areia, afim de organizar o trânsito.

Freeshop no Chuy, por novocaroneiro.com

Deixamos Rio Grande com destino a fronteira com o Uruguai na manhã de 26 de dezembro. A estrada é formada de retas intermináveis, sem muita coisa a ser observada, a não ser algumas vacas e povoados. A região é muito plana e a estrada atravessa a Estação Ecológica do Taim, onde há algumas lombadas eletrônicas e o risco de se encontrar algum animal (lagartos, capivaras) atravessando a estrada. Andamos cerca de 240km até chegarmos a cidade mais ao sul do Brasil: o Chuí. A cidade é bem pequena e mal organizada. Divide-se da cidade do Chuy uruguaia apenas por uma avenida, sendo que de um lado é Brasil e do outro é Uruguai. No lado brasileiro, os uruguaios fazem compras. Do lado uruguaio, há uma série de freeshops onde os brasileiros e argentinos fazem a festa. Vimos que preços de cosméticos e bebidas, mesmo com o dólar alto, continuam valendo a pena. Além disso, nos freeshops pudemos encontrar produtos que não vendem no Brasil, como os alfajores e doces de leite uruguaios.

Uruguai de carro, por novocaroneiro.com

Fizemos algumas compras nos freeshops, comemos um pancho (espécie de cachorro quente local) e fomos até a aduana fazer o registro de nossa entrada no Uruguai.

Aspectos a considerar ao ir de carro para o Uruguai

Para entrar de carro no Uruguai, não há grandes exigências. Obviamente é necessário ter habilitação para dirigir - a brasileira é aceita, sem necessidade de tradução. O documento do veículo deve estar válido e, caso o proprietário não esteja presente, é necessário documento registrado que autorize a entrada do carro em país estrangeiro. Também é necessário o seguro Carta Verde, para o caso de algum acidente, e que é encontrado em muitas seguradoras, ou em cidades fronteiriças. Fizemos o nosso na SulAmerica Seguros e pagamos cerca de R$80,00 no plano mais básico, válido por uma semana. Com relação às leis de trânsito, são muito semelhantes às brasileiras. De diferença importante, há apenas a obrigatoriedade de manter faróis acesos, mesmo nas cidades e durante o dia. Mais informações burocráticas podem ser encontrados no site da Embaixada do Uruguai no Brasil.

Estrada em Colônia del Sacramento, por novocaroneirocom

As estradas por onde rodamos estavam todas em boas condições. Entre Navegantes e Porto Alegre, rodamos praticamente todo o caminho em pista dupla ou tripla. Entre Porto Alegre e Pelotas há um trecho duplo - até Guaíba, e depois muitas obras de duplicação e vários desvios, mas sem incidência de buracos. Entre Pelotas e Rio Grande, trecho duplicado e estrada nova. Até aqui há vários pedágios! O trecho entre Rio grande e Chuí é em pista simples, mas as ultrapassagens são facilitadas pelas enormes retas. Não há pedágios e a estrada está e boas condições também. As rodovias uruguaias também são muito boas, e há diversos pedágios (cada um custa 70 pesos). Há duplicação apenas na região de Montevidéu. No Uruguai as rodovias são muito melhores sinalizadas que no Brasil. Percebemos um aumento gradual no preço da gasolina. No Brasil, o estado gaúcho é bem mais caro que o catarinense. No Uruguai o preço é tabelado pelo governo, em 42,50 pesos o litro. Os postos mais comuns por lá são da rede Ancap e os da Petrobras.

Documentos para ingressar no Uruguai

Para ingressar no Uruguai basta apresentar a carteira de identidade em bom estado e cuja foto permita a identificação de seu proprietário. Não há restrição para documentos emitidos há mais de dez anos, desde que ainda permitam a identificação do portador. Também pode ser apresentado o passaporte válido. O visto de turista tem validade de 90 dias, podendo ser renovado por outros 90 dias. Ao deixar o país, não esquecer de passar na aduana para dar a baixa na entrada!

Pesos, Reais ou Dólares?

Com relação a moeda, antes de irmos li que o Real era aceito em praticamente todos os lugares e por isso recomendavam levar esta moeda. Na prática, no entanto, não achamos a melhor opção. Vários dos lugares onde passamos (incluindo posto Petrobras) só aceitava Pesos ou cartão de crédito (com cobrança de taxa de conversão, IOF e cotação do dólar no fechamento da fatura). Além disso, ao pagar em Dólares ou Reais, o troco vinha sempre em Pesos. Com o troco em Pesos, sempre tínhamos que buscar a calculadora do celular para ver se o cálculo esta correto, uma chatice. Para evitar estes transtornos, recomendamos buscar uma casa de câmbio com preço atrativo e utilizar Pesos no Uruguai.

Cardápio La Pasiva, por novocaroneiro.com

Em linhas gerais os preços no Uruguai são bem mais altos que no Brasil. Não somente nas atrações turísticas, ou restaurantes frequentados por turistas. Mesmo em mercados percebemos esta diferença. Em linhas gerais a cotação do Real no período em que estivemos por lá girava entre 7,00 a 7,50 pesos. Ou seja, uma cerveja que custava 168 pesos, convertido em reais, fica pela bagatela de R$22,40 (veja outros preços no cardápio da Cervejaria La Pasiva, em Montevidéu - local da cerveja mais barata que tomamos). Aqui mais do que em qualquer outro lugar "quem converte não se diverte".

Continue acompanhando o blog, pois mostraremos todo nosso roteiro e avaliaremos os hotéis onde nos hospedamos!

Para ver as fotos da viagem, clique abaixo:
https://www.flickr.com/photos/novocaroneiro/sets/72157655481188748

sábado, 9 de janeiro de 2016

Um dia em La Paloma - Uruguai, com hospedagem

La Paloma, por novocaroneiro.com

Nestas últimas férias resolvemos fazer um passeio diferente. Depois de nos programar com destinos, roteiros, atrativos e hospedagens, fizemos a revisão no carro e embarcamos em uma viagem rodoviária adentrando o Uruguai. Percorremos o litoral uruguaio, até Montevidéu, com algumas paradas. Nossa primeira noite no país vizinho foi em La Paloma, balneário localizado no litoral norte do país - a 225km de Montevidéu, 665km de Porto Alegre e 1.210km de nosso ponto de partida, Navegantes-SC. Antes de chegar lá, fizemos uns pit-stops na Praia do Cassino, no Chuí e na Fortaleza de Santa Teresa (em breve aqui!) Em La Paloma permanecemos um dia, e nos hospedamos no hotel La Tuna (que terá um review aqui no blog, mas que já avaliamos no TripAdvisor)

Vista do farol de La Paloma

Chegamos a La Paloma no final da tarde do dia 26 de dezembro. Para não perder o horário de funcionamento (das 16h30min às 18h30min), fomos direto para o farol da cidade - Farol de Santa María, afim de admirar a beleza do litoral lá do alto. Na entrada tivemos um pequeno percalço. O valor do ingresso para subir na torre custa 25 pesos. Naquele momento só tínhamos cédulas de 500 pesos, e o atendente não tinha troco. Sugeriu que fôssemos até uma casa de câmbio rapidinho e voltar com o dinheiro trocado. Fomos até lá muito rápido (vantagem de cidade bem pequena), encaramos a fila de fim de expediente, e ainda conseguimos chegar a tempo de subir. A vista é muito bonita, mas ventava bastante também! Muitos turistas aproveitavam o local para tirar fotos das paisagens com a luz de final de tarde. Não a toa este é um dos principais atrativos de La Paloma. Para encontrar o farol é bem simples: olhe em direção ao mar. Como não há grandes empreendimentos imobiliários na cidade, em algum momento você o avistará!

La Paloma, por novocaroneiro.com

Bem em frente ao farol há uma prainha com ondas bem pequenas e água gelada! Por ali algumas pessoas se aventuravam a mergulhar ou tentar pegar onda com pranchas de bodyboard. Algumas famílias passeavam com crianças. Outras pessoas simplesmente sentavam em meio as pedras na praia e contemplavam o início do pôr do sol. Um fato que nos chamou a atenção foi o chão da praia. Era imensa a quantidade de conchas e cascas de mariscos. Todos estes pontos brancos na foto são estes materiais. Além disso nos intrigamos com umas bolinhas amarelas espalhadas na areia. Mais tarde concluímos que eram cascas de ovos de tartarugas. Há, ainda, por ali, uma placa que indica que este é um ponto de observação de baleias, mas não tivemos o privilégio de ver nenhuma (afinal, sequer sabemos se elas estão na região nesta época!).

La Paloma, por novocaroneiro.com

Saímos da região do farol e fomos buscar o hotel. O Hotel la Tuna (reserve aqui, ou veja outras opções) está localizado em uma área residencial da cidade, há algumas quadras do centro. Em contrapartida, está bem pertinho do mar, na Bahía Chica (logo avaliaremos ele aqui no blog). Depois de instalados, fomos explorar a cidade, já que havíamos apenas passado por ela em busca do farol e da casa de câmbio. Ao realizar o roteiro, percebemos que La Paloma possui alguns itens culinários em destaque: o sorvete de doce de leite e os churros. Fomos em busca deles e logo encontramos uma sorveteria, a Heladería Tambaru. Há diversas opções em sorvetes artesanais de frutas, chocolates, cremes... mas queríamos e pedimos o de dulce de leche. Achei o sorvete incrível. Uma explosão de sabor na boca! Não deixe de provar. Encontramos o sorvete de doce de leite em outros locais depois, mas este foi o melhor. Mesmo! Depois da sobremesa, fomos procurar um local para jantar... andamos pela avenida principal da cidade e optamos pelo restaurante Fulana Resto Bar, que teria apresentação de música ao vivo. Fizemos o pedido enquanto a banda  passava o som. Tomamos nossa Patrícia gelada, comemos e só bem no final da refeição a música começou. Bom repertório, boa comida e cerveja bem gelada (até trocaram duas congeladas). Uma boa opção de bar/restaurante de qualidade e bem charmoso em La Paloma. Ao sair do restaurante tentamos comer churros, mas a churrería estava fechada...

La Paloma, por novocaroneiro.com

Na manhã seguinte, após o café da manhã, arrumamos nossas coisas para prosseguir a viagem até Montevidéu. Antes de ir para a capital, no entanto, fomos conhecer a área do Porto de La Paloma. O local, que passa por obras, é bastante procurado por pescadores que se aproveitam dos molhes da barra para lançar suas iscas. Há até quem leve a família e os cachorros para a pescaria! O local mostra ainda algumas lanchas e barcos ancorados. O porto é bem pequeno, mas atende a demanda regional. A região do porto é, também, ponto de estudos e observações de tartarugas marinhas.

La Pedrera, por novocaroneiro.com

Saindo dali fomos até La Pedrera, um balneário lindíssimo há cerca de 13 km do centro de La Paloma. La Pedrera, como o nome já denuncia, tem muitas rochas em sua orla, o que lhe dá um visual incrível. Além disso, a cidade fica encravada em um morro que termina abruptamente em um mini-penhasco (ou barranco) que dá origem às praias. As fotos nem de longe dão a real impressão do lugar. Além disso, há algumas casas em estilo colonial que completam o visual. Muito lindo! Em La Pedrera há diversos restaurantes e bares pequeninhos mas muito bem decorados (eita povo caprichoso esse uruguaio!). Com certeza vale a visita e até um pernoite por aqui. Ficamos com a sensação de que a vida noturna é bem agitada por ali.

Nossos primeiros destinos em solo uruguaio foram demais. E foram só o começo! Não perca as novas postagens que vem por ai!

Veja também o álbum de fotos de La paloma e La Pedrera:
https://www.flickr.com/photos/novocaroneiro/sets/72157655481188748
Viagem em 12/2015.