sábado, 16 de maio de 2015

MEGAPOST EUROPA IX - Rotterdã, Holanda

Ainda durante nosso planejamento de viagem, reservamos um espaço no roteiro para um bate-volta até a cidade de Rotterdã. Vimos que lá havia alguns atrativos bem pitorescos e que mereciam nossa visita.


O trajeto até lá foi feito de trem, de maneira bem fácil e rápida. De difícil só a compra do tíquete no autoatendimento, que debitou no cartão de crédito mas ou não saiu, ou nós não achamos onde saiu o bilhete... resolvemos mesmo assim comprar outra passagem no atendimento pessoal, já que nem reclamar sabíamos como!! A viagem dura pouco mais de uma hora (a volta foi mais rápida ainda), e sai da Centraal Station de Amsterdã e para na Centraal Station de Rotterdã. Chegando lá, basta pegar o mapa da cidade e ir à luta! As atrações que buscávamos eram: o zoológico e as casas-cubo. Pedimos informações de como chegar nos pontos e fomos, utilizando transporte público mais uma vez: o ônibus. Talvez por ser final de semana, o trânsito estava bem calmo, e chegamos rapidinho ao jardim zoológico.

O zoo de Rotterdã é muito legal. Ótimo passeio para quem viaja com crianças. O ambiente é bem cuidado e a área é enorme. Há uma grande variedade de aves, mamíferos, répteis. Animais das diversas regiões do planeta vivem neste local. O passeio pode durar horas e até mesmo preencher o dia todo. Como não tínhamos essa intenção, andamos um pouco olhando os animais e as paisagens criadas para eles, e logo depois fomos procurar aquilo que realmente buscávamos: o aquário.

Havíamos visto no site oficial (clique aqui) que o aquário era daqueles em que os visitantes sentem-se envolvido pelo oceano, ao passar por um túnel de aquário. Nunca havíamos visto um destes ao vivo, e a visita se tornou obrigatória. E valeu muito a pena, pois a cena é incrível. Os peixes passando por todos os lados, desde os bonitinhos, até os temidos tubarões e arraias. Muito legal. Além deste setor, há diversos aquários com cavalos marinhos, águas vivas (que ficam lindas com efeitos de luz), peixinhos coloridos, tartarugas, lagostas (tem até uma azul) e diversas outras formas de vida marinha. Lugar muito, mas muito bonito. Ainda na parte de oceano, outro animalzinho simpático e que chama bastante a atenção do público, é o pinguim. Que bichinho simpático, ainda mais em grupo, como no caso de Rotterdã.

Andamos um pouco pela cidade e depois nos deslocamos para as Casas Cubo. Aqui abro um parêntesis. Rotterdã possui um dos principais portos da Europa, e isso já vem de longa data. Em decorrência de possuir este setor estratégico, a cidade ficou bastante desfigurada após bombardeios ocorridos nas guerras mundiais. Em sua reconstrução, deu-se bastante espaço para inovações arquitetônicas, fato que fez surgir uma série de construções com padrões bastante diferentes. Um exemplo é o conjunto de casas cubo.

As casas cubo são um complexo de apartamentos, e a sua construção é em formato de cubo, mas uma das pontas do cubo serve como base, e a outra como teto. É como um dado que foi atirado, mas ficou no meio do caminho, sem nenhum número na parte de cima... Meio complicado de explicar, mas bem simples entender este formato ao ver a foto. Acabamos não fazendo a visita interna (que está disponível em um dos apartamentos, com um pequeno valor de ingresso), mas ficamos imaginando a dificuldade em se decorar uma casa assim.

Esta é a construção mais fora do comum, mas não a única. Há vários prédios bem diferente na cidade. Ao desembarcar do trem, na Centraal Station isso já fica claro. Ao andar pela cidade, há várias paisagens com construções incomuns. Isso ocorre tanto em prédios comerciais, como residenciais. É parte da alma da cidade.

Rotterdã tem um comércio bem diversificado, é uma cidade bem moderna. Além dos ônibus urbanos, tem, assim como Amsterdã, a possibilidade de realizar trajetos de bonde, o que acaba facilitando bastante os deslocamentos. A cidade conta com várias ciclovias, sendo esta forma de transporte bastante difundida por lá.

Gostei bastante do passeio, que é bem prático para quem parte da capital holandesa. Um bate e volta é o suficiente para conhecer o basicão. De nosso roteiro, só não fomos até a Torre Euromast, de onde se vê toda a região. Isso aconteceu porque saímos um pouquinho mais tarde do que deveríamos do quarto do hotel, que fica tão aconchegante no friozinho europeu...

Mais sobre esta viagem à Europa:
MEGAPOST EUROPA I - O início
MEGAPOST EUROPA II - O trajeto de ida
MEGAPOST EUROPA III - Amsterdã, chegada e primeiras impressões
MEGAPOST EUROPA IV - Amsterdã: fatos simples do cotidiano
MEGAPOST EUROPA V - Amsterdã - Van Gogh Museum
MEGAPOST EUROPA VI - Amsterdã - Casa de Anne Frank
MEGAPOST EUROPA VII - Amsterdã - Diversão para a galera
MEGAPOST EUROPA VIII - Zaanse Schans, Holanda

Confira os álbuns de nossa à Europa (Amsterdam, Rotterdam, Zaanse Schans, Paris):


Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Luis que bom você viajar e contar pra nós! Vim visitar seu blog. Gostei bastante. Parabéns www.blogdagilviana.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou. Sinta-se a vontade para voltar em breve. Logo contarei sobre Paris e vários pontos do Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai!

      Excluir